segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

preencha as lacunas


É engraçado - mas não estou rindo - como a gente automaticamente julga e idealiza as pessoas, principalmente as recém-conhecidas. Não vejo o ato de julgar como algo negativo, desde que estejamos abertos a reconhecer que fizemos um julgamento errôneo e que constantemente atualizemos nosso banco de características das pessoas. Essa estória do banco de características é bastante interessante e vou explorar nos próximos parágrafos. O que é negativo é atribuir ao julgamento um valor pejorativo ou arrogante, nivelando as pessoas por baixo e estancando-as num rótulo inerte e imutável. É igualmente perigoso valorizar alguém por demais, visto que somos todos seres humanos cheios de defeitos, falhas e pecados capitais e interioranos. Hahahá!

Para cada pessoa que conhecemos, dentro da gente criamos um banco de características, que vamos preenchendo conforme convivemos com ela. Vejo esse banco como uma planilha do Excel, com colunas de características mais fixas e outras mais voláteis. O problema é que muitas vezes não identificamos direitinho quando uma característica é passageira, e preenchemos uma lacuna da coluna das características permanentes. Por exemplo, uma pessoa pode estar num dia (ou numa fase) mais mal-humorada, e podemos equivocadamente achar que ela é mal-humorada sempre. Para o bem ou para o mal - super-valorizando ou subestimando alguém -, não atentamos ao fato de que preenchemos automaticamente as lacunas em branco de acordo com nossa empatia ao ser julgado.

Se gostamos de alguém - e novamente repito, principalmente um recém-conhecido - tendemos a preencher as lacunas em branco com características que gostaríamos que essa pessoa possuísse. Se não vamos com a cara do pobre coitado, preenchemos as lacunas em branco com características que não gostamos, tornando a pessoa ainda pior do que nos parece. O fato é que preenchemos as lacunas em branco a nosso bel-prazer, sem ao menos se dar conta disso. A esse processo chamo idealização precipitada.

Carlos Drummond de Andrade, em seu poema "Os ombros suportam o mundo", nos alerta:

Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

Cabe a nós o constante e difícil desafio de se ater à realidade, de não acrescentar à pessoa características que não a pertencem, de constantemente atualizar o banco de características de cada pessoa que conhecemos, pois é imperativo que estamos em constante aprendizado, desaprendizado e conseqüentemente em constante mudança. Sou sim viciado em realidade, mas tenho um outro maldito vício, o de idealizar: idealizo pessoas, situações, crio causos e estórias que não acontecem senão em minha mente. Com a visão se clareando, porém, estou hoje mais disposto a encarar as pessoas como elas realmente são. Acredito que esse processo de descontruir as fantasias seja beneficial tanto para o observador quanto para o observado: caindo as máscaras e ilusões, temos um terreno mais realista para trabalhar. Mas como nem tudo são rosas, muitas vezes a realidade pura e destilada pode nos levar ao sofrimento, pela dificuldade que temos em lidar com ela. Raul Seixas, entre outros, já dizia: "queria ser burro, sofria menos".

20 comentários:

Alessandra disse...

Gostei hein? rsrsrs! A nova Alessandra tbm gostou.. idealização faz parte do processo Betão! Cabe a nós decidir o quanto a gente se afeta com isso, né não?

Anônimo disse...

ok agora olha meu blog
www.caiogospel.blogspot.com

FAMOSAS E FAMOSOS disse...

boa sua filosofia!!

Eze Viapiana disse...

hahaha!
Adorei. Gostei realmente do que escreveu, e concordo. Até revi alguns conceitos com ela.

;D

ivana debértolis disse...

bom, muito bom aqui. voltarei.

Mandy Oliiver disse...

ola, visite meu blog nos siga e receba nossos conteudos em seu blog todos os dia !

http://ataqueid.blogspot.com/

obrigada pela atençao Ataque ID :)


eu lhe segi espeo que me siga tb !

http://ataqueid.blogspot.com/

Talvez Você Tropece nisso.... disse...

Bom texto, escreves muit bem...sim rotulamos as pessoas e na maioria sem lhes dar chance de mostrar como realmente são...somos egoistas neste sentido..mas acredito que é um meio de proteção...de nos proteger...julgando antes que alguem venha lhe julgar...ehehe beijooo

brett disse...

love to see this discussion! It’s great to see you all working through the issues and also, it’s great to see recommendations for testing. In the end, it’s what your actual users do and prefer that should be your biggest driver in making these decisions.
online department

Deh disse...

Cara! Cheguei aqui clicando em "próximo blog", no meu blog, e achei maneiro! Me identifiquei quando disse que idealiza e cria situações em sua mente! Pra dizer a verdade me senti até um pouco "descoberta" nas suas palavras. Gostei bastante. O meu blog é dosetimoandar.blogspot.com, fique à vontade pra visitar e tomar um café. Debora

Servant of the Most High disse...

Hi,

Here's a blog that serves for your spiritual needs, and will surely be a blessing for you!

This blog has messages from the Holy Scriptures, taught by the Spirit of God.
These will teach us how to have God in all the aspects of our lives and have God's rule over every matter :

www.holyoneofisrael-reconciliation.blogspot.com

Have a blessed reading and gladly write back if you need any prayer help.

God bless you and your family.

gaetano designer disse...

Olá ! Conheça a mais perfeita réplica do troféu da copa do mundo. Você pode comprar e revender para bares, restaurantes, hotéis que farão decoração temática ou também para lojas em geral, inclusive de esportes. Confira no
http://trofeudacopa.blogspot.com/

Mayara disse...

Já pensou o porquê idealiza?

Nossos anseios sempre se voltam à possibilidade de estarmos encontrando em alguém a resposta para as dúvidas que possuímos, e, possivelmente, a outra pessoa - a recém-conhecida - se aproximou de vc pelo mesmo motivo.

Já pensou como seria se não idealizássemos?

beijo grande
Ma

Alberto Geraissate disse...

Sim, Mayara, já pensei em como seria se não idealizássemos - esse post inclusive é um fruto desses pensamentos. E sabe como seria? Seria mais simples! rsrs

Essa ânsia de buscar no outro o que não encontramos em nós não nos leva senão a perseguir fantasias, a criar desilusões, a fugir da realidade. É muito grande a chance de projetarmos coisas que não existem.

Sabe que tenho refletido ainda mais sobre esse assunto, e vejo que - ao menos no meu caso - não só preencho as lacunas das pessoas, mas vou ainda mais além... Eu já tenho bancos de características prontos, e tento encaixar as pobres das pessoas nessas minhas fantasias desajeitadas (fantasia no sentido literal, de carnaval). Exemplo clássico: "queria namorar alguém assim e assado". Encontro alguém e já vou buscando nela essas características "assim e assado" sem ao menos me dar ao trabalho de conhecê-la melhor. Dando-se à esse trabalho, muito provavelmente eu descobriria que essa pessoa não se encaixa nada no meu padrão IDEALIZADO e IRREAL de namorada que eu quero. O mesmo vale para amigos, colegas, etc.

Geraldo Brito (Dado) disse...

Interessante seu pensamento.

Rê Cicca disse...

Alberto também lê
http://descompensando.blogspot.com/

Vhenam - C.B.B. disse...

PARTICIPE VOCÊ TAMBEM DA COMUNIDADE DOS BLOGUEIROS, CLUBE BLOGUEIROS DO BRASIL.
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=81790457

Diego Cosmo disse...

http://dcosmo.blogspot.com - Constantes reflexões, Rumo a novos pensamentos! "Cosmo a Pé"

Nelson disse...

ótimo blog, estas de parabéns!

também concordo com o lema de: "queria ser burro, sofreria menos"

Chardie B. disse...

mto bom este blog ein
vou passar por aqui sempre ,....

http://chardiebatista.blogspot.com/
da uma passada por lah tb

abrax

Chardie B. disse...

valeu alberto pela sua visita lah no meu blog ...
espero que volte sempre por lah assim como sempre vou dar uma passada por aqui

abrax
obrigado
http://chardiebatista.blogspot.com

Related Posts with Thumbnails

Veja também